Inglês

Cochrane for Clinicians Putting Evidence into Practice Antihypertensive Drug Therapy for Mild to Moderate Hypertension During Pregnancy Nicholas LeFevre, MD, and Ellisa Krumm, MD John Peter Smith Hospital Family Medicine Residency Program, Fort Worth, Texas Author disclosure: No relevant financial affiliations. Clinical Question Does treatment of mild to moderate hyperten- sion in pregnancy with antihypertensive drugs improve pregnancy outcomes? Evidence-Based Answer Compared with placebo, antihypertensive drug therapy for mild to moderate hypertension (defined by the authors as a blood pressure of 140 to 169 mm Hg systolic or 90 to 109 mm Hg diastolic) caused by chronic hypertension, ges- tational hypertension, or preeclampsia during pregnancy does not affect any pregnancy out- comes. However, it does reduce the risk of devel- oping severe hypertension (relative risk [RR] = 0.49; 95% CI, 0.40 to 0.60; number needed to treat [NNT] = 10). Beta blockers and calcium chan- nel blockers are more effective than methyldopa in preventing severe hypertension (NNT = 26).1 (Strength of Recommendation: A, based on con- sistent, good-quality patient-oriented evidence.) Practice Pointers In the United States, approximately 1% of preg- nant women have chronic hypertension. Women with chronic hypertension in pregnancy have a higher risk of developing adverse obstetric out- comes, including gestational diabetes mellitus, postpartum hemorrhage, fetal growth restric- tion, preterm birth, and neonatal death, as well as a higher risk of preeclampsia. Preeclampsia occurs in 2% to 8% of all pregnancies world- wide.1,2 The authors of this review sought to determine the effect of treating pregnant women with mildly to moderately elevated blood pres- sure caused by hypertension, gestational hyper- tension, or preeclampsia. This Cochrane review included 58 random- ized controlled trials involving 5,909 women.1 The overall quality of the studies included in the review was rated as moderate to poor by the authors, mostly because of a higher risk of per- formance and detections bias. Sixteen of the included studies were published after 2000, and the largest featured 314 women. High-income countries as well as middle- and low-income countries were well represented. Thirty-one tri- als (n = 3,485) compared antihypertensive drug therapies with placebo or no therapy, and 29 tri- als (n = 2,774) compared one antihypertensive drug with another. This review included women with any form of hypertension in pregnancy (chronic, gestational, or preeclampsia) with mild to moderate eleva- tions in blood pressure. The primary outcomes examined in the analysis of antihypertensive therapy vs. placebo were development of severe hypertension in pregnancy (in general, greater than 170/110 mm Hg, although the authors also included trials in which severe hypertension was defined as greater than 160 mm Hg systolic), development of proteinuria/preeclampsia, mis- carriage and fetal/neonatal death, preterm birth (at less than 37 weeks of gestation), and infants small for gestational age. There was a significant decrease in the development of severe hyper- tension, again generally defined by the authors as systolic pressure greater than 170 mm Hg or diastolic pressure greater than 110 mm Hg in the antihypertensive therapy group (RR = 0.49; 95% CI, 0.40 to 0.60; NNT = 10). There was no difference in any of the other primary outcomes. Of the numerous secondary outcomes discussed, only one was significant: treatment of mild to moderate hypertension resulted in a decreased risk of neonatal respiratory distress (absolute risk reduction [ARR] = 0.53; 95% CI, 0.2 to 0.99). In the analysis of trials comparing one anti- hypertensive drug with another, no statistically These are summaries of reviews from the Cochrane Library. This series is coordinated by Corey D. Fogleman, MD, assis- tant medical editor. A collection of Cochrane for Clinicians published in AFP is available at https://www.aafp.org/afp/cochrane. CME This clinical content conforms to AAFP criteria for continuing medical education (CME). See CME Quiz on page 398. Downloaded from the American Family Physician website at www.aafp.org/afp. Copyright © 2019 American Academy of Family Physicians. For the private, noncom- mercial use of one individual user of the website. All other rights reserved. Contact copyrights@aafp.org for copyright questions and/or permission requests. Downloaded from the American Family Physician website at www.aafp.org/afp. Copyright © 2019 American Academy of Family Physicians. For the private, noncom- mercial use of one individual user of the website. All other rights reserved. Contact copyrights@aafp.org for copyright questions and/or permission requests. 404 American Family Physician www.aafp.org/afp Volume 100, Number 7 ◆ October 1, 2019 COCHRANE FOR CLINICIANS significant difference in outcomes could be demonstrated. The majority of studies used medi- cation classes commonly prescribed in the United States during pregnancy (beta blockers, calcium channel blockers, or methyldopa), although other medications (i.e., vasodilators, ketanserin, glyceryl trinitrate, furosemide [Lasix], sildena- fil [Viagra]) were represented. Patients treated with calcium channel blockers or beta blockers were less likely to develop severe hypertension than those treated with methyldopa (RR = 0.70; 95% CI, 0.59 to 0.93). With regard to secondary outcomes, women treated with beta blockers or calcium channel blockers were less likely than those treated with methyldopa to have a cesar- ean delivery (ARR = 0.84; 95% CI, 0.74 to 0.95). Treatment of mild to moderate hypertension did not result in any other outcome differences or adverse effects. The American College of Obstetricians and Gynecologists,2 Hypertension Canada/the Society of Obstetricians and Gynaecologists of Canada,3 and the European Society of Cardiology/Euro- pean Society of Hypertension4 all recommend pharmacologic treatment of severe hyperten- sion in pregnancy (which they define as systolic blood pressure of 160 mm Hg or greater or dia- stolic blood pressure of 110 mm Hg or greater). Guidelines for the treatment of mild to moderate hypertension in pregnancy differ. The American College of Obstetricians and Gynecologists rec- ommends that antihypertensive drug therapy be initiated only for systolic blood pressure of 160 mm Hg or greater or diastolic blood pressure of 110 mm Hg or greater, with a goal treatment range of 120 to 159/80 to 109 mm Hg. Hypertension Canada/the Society of Obstetricians and Gynae- cologists of Canada guidelines recommend anti- hypertensive drug therapy for an average systolic measurement of at least 140 mm Hg or diastolic measurement of at least 90 mm Hg with a diastolic target of 85 mm Hg. The European Society of Car- diology/European Society of Hypertension 2018 hypertension guidelines recommend treatment for blood pressure greater than 150/95 mm Hg. The National Institute for Health and Clinical Excellence guidelines, which were last released in 2010, recommended that blood pressure be main- tained at less than 150/100 mm Hg, but they are currently being updated.5 The practice recommendations in this activity are available at http://www.cochrane.org/CD002252. Editor’s Note: The numbers needed to treat reported in this Cochrane for Clinicians were calculated by the authors based on raw data pro- vided in the original Cochrane review. SUMMARY TABLE Antihypertensive Drug Therapy vs. Placebo or No Drugs for Mild to Moderate Hypertension in Pregnancy Outcomes (during pregnancy or postpartum) Probable outcome with antihyperten- sive drug therapy* Probable outcome with placebo/no drugs NNT (95% CI) Participants (studies) Quality of evidence Severe hypertension 97 per 1,000 (95% CI, 79 to 119) 198 per 1,000 10 (8 to 13) 2,558 (20 RCTs) Moderate Proteinuria/preeclampsia 171 per 1,000 185 per 1,000 NA 2,851 (23 RCTs) Low Total reported fetal or neonatal deaths (including miscarriage) 28 per 1,000 41 per 1,000 NA 3,365 (29 RCTs) Moderate Small for gestational age 149 per 1,000 152 per 1,000 NA 2,686 (21 RCTs) Moderate Preterm birth (< 37 weeks of gestation) 266 per 1,000 277 per 1,000 NA 2,141 (15 RCTs) Moderate NA = not applicable (no statistical difference in outcomes); NNT = number needed to treat; RCTs = randomized controlled trials. *—In women with mild to moderate hypertension during pregnancy who are receiving any antihypertensive drug (e.g., beta blockers, methyldopa, calcium channel blocker, alpha blocker, glyceryl trinitrate, sildenafil [Viagra]). October 1, 2019 ◆ Volume 100, Number 7 www.aafp.org/afp American Family Physician 405 COCHRANE FOR CLINICIANS References 1. Abalos E, Duley L, Steyn DW, et al. Antihypertensive drug therapy for mild to moderate hypertension during preg- nancy. Cochrane Database Syst Rev. 2018;(10):CD002252. 2. ACOG practice bulletin no. 203 summary: chronic hypertension in pregnancy. Obstet Gynecol. 2019;133(1): 215-219. 3. Butalia S, Audibert F, Côté AM, et al. Hypertension Cana- da’s 2018 guidelines for the management of hypertension in pregnancy. Can J Cardiol. 2018;34(5):526-531. 4. Williams B, Mancia G, Spiering W, et al. 2018 ESC/ESH guidelines for the management of arterial hypertension. Eur Heart J. 2018;39(33):3021-3104. 5. Visintin C, Mugglestone MA, Almerie MQ, et al. Manage- ment of hypertensive disorders during pregnancy: sum- mary of NICE guidance. BMJ. 2010;341:c2207. Effectiveness and Safety of Factor Xa Inhibitors in Patients with Atrial Fibrillation Katherine Cocker, DO, MBA, FAAFP United States Army North, Fort Sam Houston, Texas Aaron Saguil, MD, MPH, FAAFP Uniformed Services University of the Health Sciences, Bethesda, Maryland Author disclosure: No relevant financial affiliations. Clinical Question Are factor Xa inhibitors as effective and safe as vitamin K antagonists in the prevention of embolic events in patients with atrial fibrillation (AFib)? Evidence-Based Answer Treatment of AFib with a factor Xa inhibi- tor results in a decrease in the combined end point of stroke and embolic events (odds ratio [OR] = 0.89; 95% CI, 0.82 to 0.97), as well as a decrease in intracranial hemorrhage (OR = 0.50; 95% CI, 0.42 to 0.59) and all-cause mortal- ity (OR = 0.89; 95% CI, 0.83 to 0.95) compared with warfarin (Coumadin) therapy.1 (Strength of Recommendation: A, based on consistent, good- quality patient-oriented evidence.) Practice Pointers AFib affects 2.7 to 6.1 million Americans. Patients with AFib have a four- to fivefold increased risk of embolic stroke vs. those without.2-4 In addi- tion to rate control, a mainstay of AFib treatment focuses on anticoagulation to prevent throm- bus formation and decrease stroke risk. Before the introduction of factor Xa inhibitors, the vitamin K antagonist warfarin was the anticoag- ulant used most often. Use of warfarin, however, requires laboratory monitoring and dietary restrictions that are challenging for patients and clinicians. The authors of this review examined the effectiveness and safety of factor Xa inhibitors compared with warfarin in preventing stroke and embolic events in patients with AFib. This review included 13 randomized con- trolled trials with 67,688 participants with mean and median ages ranging from 65 to 74 years.1 These trials directly compared factor Xa inhib- itors with dose-adjusted warfarin. Seven factor Xa inhibitors were represented in the trials, but studies looking at apixaban (Eliquis), edoxaban (Savaysa), and rivaroxaban (Xarelto) contributed 90% of the data. Factor Xa inhibitors significantly decreased the incidence of the primary outcome, all strokes and systemic embolic events, com- pared with warfarin (OR = 0.89; 95% CI, 0.82 to 0.97; 13 studies; n = 67,477). Age-related sub- group analysis revealed that all strokes and sys- temic embolic events were significantly decreased in patients 75 years and older who were treated with factor Xa inhibitors compared with warfa- rin (OR = 0.76; 95% CI, 0.66 to 0.88; four studies; n = 21,885). Secondary outcomes included adverse events such as intracranial hemorrhage, all-cause death, and major or nonmajor bleeding as defined by the International Society on Thrombosis and Haemostasis criteria. The use of factor Xa inhibi- tors significantly reduced the risk of intracranial hemorrhage (OR = 0.50; 95% CI, 0.42 to 0.59; 12 studies; n = 66,259) and the number of all- cause deaths (OR = 0.89; 95% CI, 0.83 to 0.95; 10 studies; n = 65,624). Bleeding, both major and nonmajor, was not statistically different between groups. There were no significant differences between factor Xa inhibitors and warfarin with respect to disabling or fatal strokes, ischemic strokes, myocardial infarction, or hepatotoxicity. The 2014 American College of Cardiology/ American Heart Association guidelines for the management of patients with AFib state that anti- thrombotic therapy should be based on shared decision-making, risk, and patient preference.5 These guidelines, as well as the 2016 European Society of Cardiology guidelines, include factor Xa inhibitors as initial and/or suitable anticoag- ulant treatment options, although they are not endorsed over other options such as warfarin.5,6 Although direct medical costs incurred through the use of factor Xa inhibitors are significantly greater than those with warfarin ($7.43 to $14.60 Copyright of American Family Physician is the property of American Academy of Family Physicians and its content may not be copied or emailed to multiple sites or posted to a Listserv without the copyright holder's express written permission. However, users may print, download, or email articles for individual use.

Português

Cochrane para médicos Colocando as evidências em prática Terapia medicamentosa anti-hipertensiva para hipertensão leve a moderada Durante a gravidez Nicholas LeFevre, MD, e Ellisa Krumm, MD Residência em Medicina Familiar no Hospital John Peter Smith Programa, Fort Worth, Texas Divulgação do autor: Nenhuma afiliação financeira relevante. Questão Clínica O tratamento de hipertensão leve a moderada sessão na gravidez com medicamentos anti-hipertensivos melhorar os resultados da gravidez? Resposta Baseada em Evidências Comparado com placebo, medicamento anti-hipertensivo terapia para hipertensão leve a moderada (definido pelos autores como uma pressão arterial de 140 a 169 mm Hg sistólica ou 90 a 109 mm Hg diastólica) causada por hipertensão crônica, ges- hipertensão arterial ou pré-eclâmpsia durante a gravidez não afeta nenhuma gravidez vem. No entanto, isso reduz o risco de desenvolvimento oping hipertensão grave (risco relativo [RR] = 0,49; IC de 95%, 0,40 a 0,60; número necessário para tratar [NNT] = 10). Betabloqueadores e canais de cálcio bloqueadores nel são mais eficazes do que metildopa na prevenção de hipertensão grave (NNT = 26) .1 (Força da recomendação: A, com base em con evidência consistente e de boa qualidade orientada para o paciente.) Dicas de prática Nos Estados Unidos, aproximadamente 1% das mulheres nativas têm hipertensão crônica.Mulheres com hipertensão crônica na gravidez tem um maior risco de desenvolver exames obstétricos adversos vem, incluindo diabetes mellitus gestacional, hemorragia pós-parto, restrição de crescimento fetal ção, nascimento prematuro e morte neonatal, também como um risco maior de pré-eclâmpsia. Pré-eclâmpsia ocorre em 2% a 8% de todas as gravidezes no mundo ampla.1,2 Os autores desta revisão procuraram determinar o efeito do tratamento de mulheres grávidas com pressão sangüínea leve a moderadamente elevada claro causado por hipertensão, hiper- tensão ou pré-eclâmpsia. Esta revisão Cochrane incluiu 58 Ensaios controlados ized envolvendo 5.909 mulheres.1 A qualidade geral dos estudos incluídos em a avaliação foi classificada como moderada a ruim pelo autores, principalmente por causa de um maior risco de per- viés de força e detecção. Dezesseis do estudos incluídos foram publicados após 2000, e o maior apresentava 314 mulheres. Alta renda países, bem como de média e baixa renda países estavam bem representados. Trinta e um tri- als (n = 3.485) comparou o medicamento anti-hipertensivo terapias com placebo ou nenhuma terapia, e 29 tri als (n = 2.774) comparou um anti-hipertensivo droga com outra. Esta revisão incluiu mulheres com qualquer forma de hipertensão na gravidez (crônica, gestacional, ou pré-eclâmpsia) com elevação leve a moderada ções na pressão arterial.Os resultados primários examinado na análise de anti-hipertensivos terapia vs. placebo foram o desenvolvimento de graves hipertensão na gravidez (em geral, maior de 170/110 mm Hg, embora os autores também incluíram ensaios em que hipertensão grave foi definida como maior que 160 mm Hg sistólica), desenvolvimento de proteinúria / pré-eclâmpsia, mis- transporte e morte fetal / neonatal, nascimento prematuro (com menos de 37 semanas de gestação) e bebês pequeno para a idade gestacional. Houve um significativo diminuição no desenvolvimento de hiper- tensão, novamente geralmente definida pelos autores como pressão sistólica maior que 170 mm Hg ou pressão diastólica maior que 110 mm Hg em o grupo de terapia anti-hipertensiva (RR = 0,49; IC de 95%, 0,40 a 0,60; NNT = 10). Não havia diferença em qualquer um dos outros resultados primários. Dos inúmeros resultados secundários discutidos, apenas um foi significativo: tratamento de leve a hipertensão moderada resultou em uma diminuição risco de dificuldade respiratória neonatal (risco absoluto redução [ARR] = 0,53; IC de 95%, 0,2 a 0,99). Na análise de ensaios comparando um anti- medicamento hipertensivo com outro, não estatisticamente Estes são resumos de análises da Biblioteca Cochrane. Esta série é coordenada por Corey D. Fogleman, MD, assistente editor médico tant.Uma coleção de Cochrane for Clinicians publicada na AFP é disponível em https://www.aafp.org/afp/cochrane. CME Este conteúdo clínico está em conformidade com os critérios AAFP para educação médica continuada (CME). Veja o questionário CME em página 398. Baixado do website American Family Physician em www.aafp.org/afp. Copyright © 2019 American Academy of Family Physicians. Para o privado, não uso comercial de um usuário individual do site. Todos os outros direitos reservados. Contate copyrights@aafp.org para perguntas sobre direitos autorais e / ou solicitações de permissão. Baixado do site American Family Physician em www.aafp.org/afp. Copyright © 2019 American Academy of Family Physicians. Para o privado, não uso comercial de um usuário individual do site. Todos os outros direitos reservados. Contate copyrights@aafp.org para perguntas sobre direitos autorais e / ou solicitações de permissão. 404 American Family Physician www.aafp.org/afp Volume 100, Número 7 ◆ 1º de outubro de 2019 COCHRANE PARA CLÍNICOS diferença significativa nos resultados pode ser demonstrado. A maioria dos estudos usaram medi- classes de cátions comumente prescritas nos Estados Unidos Estados durante a gravidez (bloqueadores beta, cálcio bloqueadores de canal, ou metildopa), embora outros medicamentos (ou seja, vasodilatadores, cetanserina, trinitrato de glicerila, furosemida [Lasix], sildena- fil [Viagra]) foram representados.Pacientes tratados com bloqueadores dos canais de cálcio ou beta bloqueadores eram menos propensos a desenvolver hipertensão grave do que aqueles tratados com metildopa (RR = 0,70; IC de 95%, 0,59 a 0,93). Com relação ao secundário resultados, mulheres tratadas com bloqueadores beta ou bloqueadores dos canais de cálcio eram menos prováveis ​​do que aqueles tratados com metildopa para ter um cesar- entrega média (ARR = 0,84; IC 95%, 0,74 a 0,95). O tratamento da hipertensão leve a moderada não resultar em quaisquer outras diferenças de resultados ou efeitos adversos. The American College of Obstetricians e Ginecologistas, 2 Hipertensão Canadá / Sociedade de Obstetras e Ginecologistas do Canadá, 3 e a Sociedade Europeia de Cardiologia / Euro- Sociedade Pean de Hipertensão 4 todos recomendam tratamento farmacológico de hipertensão grave sessão na gravidez (que eles definem como sistólica pressão arterial de 160 mm Hg ou maior ou dia- pressão arterial estólica de 110 mm Hg ou superior). Diretrizes para o tratamento de leve a moderada hipertensão na gravidez diferem. O americano Colégio de Obstetras e Ginecologistas rec- recomenda que a terapia medicamentosa anti-hipertensiva seja iniciado apenas para pressão arterial sistólica de 160 mm Hg ou maior ou pressão arterial diastólica de 110 mm Hg ou superior, com uma faixa de tratamento de objetivo de 120 a 159/80 a 109 mm Hg.Hipertensão Canadá / Sociedade de Obstetras e Gynae- cologistas das diretrizes do Canadá recomendam anti- terapia medicamentosa hipertensiva para um sistema sistólico médio medição de pelo menos 140 mm Hg ou diastólica medição de pelo menos 90 mm Hg com um diastólico alvo de 85 mm Hg. The European Society of Car- diologia / Sociedade Europeia de Hipertensão 2018 diretrizes de hipertensão recomendam tratamento para pressão arterial maior que 150/95 mm Hg. O Instituto Nacional de Saúde e Clínica Diretrizes de excelência, que foram lançadas pela última vez em 2010, recomendou que a pressão arterial fosse mantida contidos em menos de 150/100 mm Hg, mas eles são atualmente sendo atualizado.5 As recomendações práticas nesta atividade são disponível em http://www.cochrane.org/CD002252. Nota do Editor: Os números necessários para tratar relatado neste Cochrane para médicos foram calculado pelos autores com base em dados brutos pro- fornecido na revisão original da Cochrane. TABELA DE RESUMO Terapia medicamentosa anti-hipertensiva vs.Placebo ou sem medicamentos para hipertensão leve a moderada na gravidez Resultados (durante a gravidez ou pós-parto) Resultado Provável com antihiperteno- terapia medicamentosa siva * Resultado Provável com placebo / sem drogas NNT (95% CI) Participantes (estudos) Qualidade de provas Hipertensão grave 97 por 1.000 (IC de 95%, 79 a 119) 198 por 1.000 10 (8 a 13) 2.558 (20 RCTs) Moderado Proteinúria / pré-eclâmpsia 171 por 1.000 185 por 1.000 NA 2.851 (23 RCTs) Baixo Total relatado fetal ou neonatal mortes (incluindo aborto espontâneo) 28 por 1.000 41 por 1.000 NA 3.365 (29 RCTs) Moderado Pequeno para a idade gestacional 149 por 1.000 152 por 1.000 NA 2.686 (21 RCTs) Moderado Nascimento prematuro (<37 semanas de gestação) 266 por 1.000 277 por 1.000 NA 2.141 (15 RCTs) Moderado NA = não aplicável (sem diferença estatística nos resultados); NNT = número necessário para tratar; RCTs = ensaios clínicos randomizados. * —Em mulheres com hipertensão leve a moderada durante a gravidez que estão recebendo qualquer medicamento anti-hipertensivo (por exemplo, betabloqueadores, metildopa, bloqueador dos canais de cálcio, bloqueador alfa, trinitrato de glicerila, sildenafil [Viagra]). 1º de outubro de 2019 ◆ Volume 100, Número 7 www.aafp.org/afp American Family Physician 405 COCHRANE PARA CLÍNICOS Referências 1. Abalos E, Duley L., Steyn DW, et al.Droga anti-hipertensiva terapia para hipertensão leve a moderada durante a gravidez Nancy. Cochrane Database Syst Rev. 2018; (10): CD002252. 2. Boletim de prática ACOG no. Resumo 203: crônico hipertensão na gravidez. Obstet Gynecol. 2019; 133 (1): 215-219. 3. Butalia S, Audibert F, Côté AM, et al. Hipertensão Cana- diretrizes de 2018 da DA para o manejo da hipertensão na gravidez. Can J Cardiol. 2018; 34 (5): 526-531. 4. Williams B., Mancia G., Spiering W., et al. 2018 ESC / ESH diretrizes para o manejo da hipertensão arterial. Eur Heart J. 2018; 39 (33): 3021-3104. 5. Visintin C, Mugglestone MA, Almerie MQ, et al. Gerir- mento de distúrbios hipertensivos durante a gravidez: resumo Maria da orientação NICE. BMJ. 2010; 341: c2207. Eficácia e segurança do Fator Xa Inibidores em pacientes com atrial Fibrilação Katherine Cocker, DO, MBA, FAAFP Exército dos Estados Unidos do Norte, Fort Sam Houston, Texas Aaron Saguil, MD, MPH, FAAFP Uniformed Services University of the Health Sciences, Bethesda, Maryland Divulgação do autor: Nenhuma afiliação financeira relevante. Questão Clínica Os inibidores do fator Xa são tão eficazes e seguros quanto antagonistas da vitamina K na prevenção de doenças embólicas eventos em pacientes com fibrilação atrial (AFib)?Resposta Baseada em Evidências Tratamento de AFib com um inibidor do fator Xa tor resulta em uma diminuição na extremidade combinada ponto de acidente vascular cerebral e eventos embólicos (odds ratio [OR] = 0,89; IC de 95%, 0,82 a 0,97), bem como um diminuição da hemorragia intracraniana (OR = 0,50; IC de 95%, 0,42 a 0,59) e todas as causas mortais ity (OR = 0,89; IC 95%, 0,83 a 0,95) em comparação com terapia com varfarina (Coumadin). (Força de Recomendação: A, com base em consistente, boa evidência de qualidade orientada para o paciente.) Dicas de prática AFib afeta 2,7 a 6,1 milhões de americanos. Pacientes com AFib tem um risco quatro a cinco vezes maior de AVC embólico vs. aqueles sem. 2-4 Além disso, para controlar a taxa, um pilar do tratamento com AFib concentra-se na anticoagulação para prevenir trombo formação de ônibus e diminuir o risco de acidente vascular cerebral. Antes a introdução de inibidores do fator Xa, o Varfarina, antagonista da vitamina K, foi o anticoag- ulant usado com mais freqüência. O uso de varfarina, no entanto, requer monitoramento laboratorial e dietético restrições que são desafiadoras para os pacientes e clínicos. Os autores desta revisão examinaram a eficácia e segurança dos inibidores do fator Xa em comparação com a varfarina na prevenção de AVC e eventos embólicos em pacientes com AFib.Esta revisão incluiu 13 con randomizados ensaios trollados com 67.688 participantes com média e idades medianas variando de 65 a 74 anos.1 Esses estudos compararam diretamente o fator Xa inibidor itores com varfarina dose-ajustada. Fator sete Os inibidores Xa foram representados nos ensaios, mas estudos olhando para apixaban (Eliquis), edoxaban (Savaysa), e rivaroxaban (Xarelto) contribuíram 90% dos dados. Inibidores do fator Xa significativamente diminuiu a incidência do desfecho primário, todos os acidentes vasculares cerebrais e eventos embólicos sistêmicos, com pareado com varfarina (OR = 0,89; IC 95%, 0,82 a 0,97; 13 estudos; n = 67.477). Sub relacionado à idade a análise de grupo revelou que todos os AVCs e sistemas eventos embólicos temicos foram significativamente reduzidos em pacientes com 75 anos ou mais que foram tratados com inibidores do fator Xa em comparação com warfa- rin (OR = 0,76; IC de 95%, 0,66-0,88; quatro estudos; n = 21.885). Os desfechos secundários incluíram eventos adversos como hemorragia intracraniana, morte por todas as causas, e sangramento maior ou não grave, conforme definido por a Sociedade Internacional de Trombose e Critérios de hemostasia. O uso de inibidor do fator Xa toros reduziram significativamente o risco de doenças intracranianas hemorragia (OR = 0,50; IC 95%, 0,42 a 0,59; 12 estudos; n = 66.259) e o número de todos causar mortes (OR = 0,89; IC 95%, 0,83 a 0,95; 10 estudos; n = 65.624).Sangramento, tanto grave quanto não principal, não foi estatisticamente diferente entre grupos. Não houve diferenças significativas entre os inibidores do fator Xa e varfarina com em relação a acidentes vasculares cerebrais incapacitantes ou fatais, isquêmicos acidentes vasculares cerebrais, enfarte do miocárdio ou hepatotoxicidade. The 2014 American College of Cardiology / Diretrizes da American Heart Association para o gestão de pacientes com AFib afirmam que anti a terapia trombótica deve ser baseada em tomada de decisão, risco e preferência do paciente. Estas diretrizes, bem como o 2016 europeu As diretrizes da Sociedade de Cardiologia incluem o fator Inibidores Xa como anticoag- iniciais e / ou adequados opções de tratamento ululantes, embora não sejam endossado sobre outras opções, como varfarina.5,6 Embora os custos médicos diretos incorridos através o uso de inibidores do fator Xa são significativamente maior do que aqueles com warfarina ($ 7,43 a $ 14,60 Os direitos autorais do American Family Physician são propriedade da American Academy of Family Os médicos e seu conteúdo não podem ser copiados ou enviados por e-mail para vários sites ou postados em um Listserv sem a permissão expressa por escrito do detentor dos direitos autorais. No entanto, os usuários podem imprimir, baixe ou envie artigos por e-mail para uso individual.

Termos de Utilização

Certifique-se de cumprir as regras de escrita e o idioma dos textos que você irá traduzir. Uma das coisas importantes que os usuários devem ter em mente ao usar o sistema de dicionário inglesportugues.pt é que as palavras e textos usados durante a tradução são armazenados no banco de dados e compartilhados com outros usuários no conteúdo do site. Por esta razão, pedimos que você preste atenção a este tópico no processo de tradução. Se você não quiser que suas traduções sejam publicadas no conteúdo do site, entre em contato com →"Contato" por e-mail. Assim que os textos relevantes forem removidos do conteúdo do site.


Política de Privacidade

Terceiros, incluindo o Google, usam cookies para veicular anúncios com base em visitas anteriores do usuário ao seu website ou a outros websites. Com o uso de cookies de publicidade, o Google e os parceiros dele podem veicular anúncios para os usuários com base nas visitas feitas aos seus sites e/ou a outros sites na Internet. Os usuários podem desativar a publicidade personalizada acessando as Configurações de anúncios. Como alternativa, você pode orientar os usuários a acessar o site www.aboutads.info para desativar o uso de cookies de publicidade personalizada de terceiros.