Inglês

But what about asymptomatic transmission? Many vaccines prevent transmission of the virus from person to person, and there is mounting evidence that the COVID-19 vaccines do as well. Even if they don’t prevent all transmissions, it looks like they can drastically cut the transmission chain and also reduce the amount of virus that can be transmitted in these cases. Dr. Bossche’s idea that the coronavirus will simply continue moving from person to person and that vaccines will only prevent severe disease is contradicted by the data that is accumulating. But even if the COVID-19 vaccines were “leaky,” meaning they still allowed some vaccinated people to transmit the virus to others, there is evidence that they could still efficiently contain the spread of the disease. Edward Nirenberg, a science blogger who addressed Dr. Bossche’s claims in great detail, points to Marek’s disease. It is caused by a herpesvirus and it gives chickens a number of health problems, including cancer. Thankfully, there is a vaccine against it, but over time, newer and more virulent strains of the virus have been detected, and this made scientists think it was because the vaccine was leaky, that it did not allow the chicken to mount a good enough immune response. Interestingly enough, the use of this seemingly leaky vaccine in chickens led to a reduction in the incidence of Marek’s disease by 99%. Potentially leaky vaccine but stellar disease reduction. Another important counterpoint to Dr. Bossche’s claim is that we can simply reformulate our vaccines to match new variants of concern. There is a reason why a new flu vaccine is made each year: the influenza virus drifts and shifts and the vaccine needs to be reformulated to be a better match for the specific viruses that are predicted to be common during the next flu season. Similarly, if a new SARS-CoV-2 variant emerges and is so different that our current crop of vaccines don’t match it, scientists can simply tweak their vaccines. It’s not an instantaneous solution, as massive vaccination campaigns require manufacturing and deployment at scale, but it’s a fix we know well and have implemented in the past. And lest we forget: the variants of concern making headlines now arose before we had any vaccine against the coronavirus. Dr. Bossche’s concern about imperfect vaccines allowing the virus to mutate should be dwarfed by the much larger, evidence-based worry of allowing the virus to mutate inside of unvaccinated people. Without vaccines, the virus is allowed to jump from person to person and make imperfect copies of itself, and this flawed replication process is like a worldwide game of Russian roulette. Most times, the virus will not mutate or its mutation will be harmless, but the more people incubate the virus, the bigger the chance of a dangerous mutation emerging by chance. Vaccines can put a stop to that. If Dr. Bossche fears the current vaccines so much, what is his solution?

Português

Mas e quanto à transmissão assintomática? Muitas vacinas evitam a transmissão do vírus de pessoa para pessoa, e há evidências crescentes de que as vacinas COVID-19 também o fazem. Mesmo que eles não impeçam todas as transmissões, parece que eles podem cortar drasticamente a cadeia de transmissão e também reduzir a quantidade de vírus que pode ser transmitida nesses casos. A ideia do Dr. Bossche de que o coronavírus simplesmente continuará se movendo de pessoa para pessoa e que as vacinas apenas prevenirão doenças graves é contradita pelos dados que estão se acumulando. Mas mesmo que as vacinas COVID-19 “vazassem”, o que significa que ainda permitiam que algumas pessoas vacinadas transmitissem o vírus a outras, há evidências de que elas ainda poderiam conter de forma eficiente a propagação da doença. Edward Nirenberg, um blogueiro de ciências que abordou as afirmações do Dr. Bossche em detalhes, aponta para a doença de Marek. É causada por um herpesvírus e causa vários problemas de saúde às galinhas, incluindo câncer. Felizmente, existe uma vacina contra ela, mas com o tempo, cepas mais novas e virulentas do vírus foram detectadas, e isso fez os cientistas pensarem que era porque a vacina vazava, que não permitia que a galinha criasse um resposta imune. Curiosamente, o uso desta vacina aparentemente com vazamento em galinhas levou a uma redução na incidência da doença de Marek em 99%.Vacina com vazamento potencial, mas redução de doenças estelares. Outro contraponto importante à afirmação do Dr. Bossche é que podemos simplesmente reformular nossas vacinas para corresponder às novas variantes de preocupação. Há uma razão pela qual uma nova vacina contra a gripe é produzida a cada ano: o vírus da gripe muda e muda e a vacina precisa ser reformulada para ser uma melhor correspondência para os vírus específicos que se prevê serem comuns durante a próxima temporada de gripe. Da mesma forma, se uma nova variante do SARS-CoV-2 surgir e for tão diferente que nossa safra atual de vacinas não corresponda a ela, os cientistas podem simplesmente ajustar suas vacinas. Não é uma solução instantânea, pois as campanhas de vacinação em massa exigem fabricação e implantação em escala, mas é uma solução que conhecemos bem e implementamos no passado. E não esqueçamos: as variantes de preocupação que chegavam às manchetes agora surgiam antes de termos qualquer vacina contra o coronavírus. A preocupação do Dr. Bossche sobre vacinas imperfeitas que permitem a mutação do vírus deve ser ofuscada pela preocupação muito maior e baseada em evidências de permitir a mutação do vírus dentro de pessoas não vacinadas. Sem vacinas, o vírus pode saltar de pessoa para pessoa e fazer cópias imperfeitas de si mesmo, e esse processo de replicação falho é como um jogo mundial de roleta russa.Na maioria das vezes, o vírus não sofre mutação ou sua mutação é inofensiva, mas quanto mais pessoas incubam o vírus, maior a chance de uma mutação perigosa surgir por acaso. As vacinas podem acabar com isso. Se o Dr. Bossche teme tanto as vacinas atuais, qual é a solução dele?

Termos de Uso Tradutoringles.com.br

Certifique-se de cumprir as regras de escrita e o idioma dos textos que você irá traduzir. Uma das coisas importantes que os usuários devem ter em mente ao usar o sistema de dicionário inglesportugues.pt é que as palavras e textos usados durante a tradução são armazenados no banco de dados e compartilhados com outros usuários no conteúdo do site. Por esta razão, pedimos que você preste atenção a este tópico no processo de tradução. Se você não quiser que suas traduções sejam publicadas no conteúdo do site, entre em contato com →"Contato" por e-mail. Assim que os textos relevantes forem removidos do conteúdo do site.


Política de Privacidade

Terceiros, incluindo o Google, usam cookies para veicular anúncios com base em visitas anteriores do usuário ao seu website ou a outros websites. Com o uso de cookies de publicidade, o Google e os parceiros dele podem veicular anúncios para os usuários com base nas visitas feitas aos seus sites e/ou a outros sites na Internet. Os usuários podem desativar a publicidade personalizada acessando as Configurações de anúncios. Como alternativa, você pode orientar os usuários a acessar o site www.aboutads.info para desativar o uso de cookies de publicidade personalizada de terceiros.